Diablo 3 – Resenha

Em maio deste ano, seguindo um caminho pavimentado por diversas outras publicações literárias de sucesso vindas dos games, a DC Comics – através da Panini – lançou a HQ de Diablo 3.

Em formato americano e contendo 124 páginas, dentro de uma edição que segue os moldes “básicos” tradicionais dos quadrinhos comercializados atualmente, a edição reúne as cinco edições americanas que compunham o título Diablo: Sword of Justice, narrando acontecimentos passados entre a história dos jogos Diablo 2 e Diablo 3.

O responsável pelo roteiro é Aaron Williams, quem pode-se chamar (pelo menos na minha opinião) de b-writer, ou roteirista de segundo escalão, conhecido principalmente por uma rápida passagem por Spider-Man Unlimited e uma minissérie de 6 edições publicada pela Wildstorm.

A arte ficou a cargo do francês Joseph Lacroix, fã da série Diablo e que, claramente, tem seu traço baseado no estilo de desenho cunhado por Mike Mignola.

A trama conta a história de Jacob, um jovem de linhagem nobre, filho do governante da cidade e que é procurado por matar o próprio pai, por motivos que depois são revelados na história. O rumo da história começa a tomar forma quando Jacob é ~orientado~ por um velho profeta contador de histórias a encontrar a espada de Tyrael. Apesar de Tyrael não aparecer fisicamente, são revelados detalhes sobre o arcanjo.

Junto da espada, ele também encontra uma arcanista que se torna sua companheira nas viagens. Juntos eles enfrentam monstros, demônios e, por que não, os perseguidores de Jacob que planejam levá-lo a justiça em sua cidade natal. Quando do seu retorno à cidade de Jacob, descobrimos que uma misteriosa praga bárbara dotada de forças demoníacas está tomando o controle da população, forçando-os a cometer crimes e levando a destruição.

Apesar de claramente ser uma obra voltada para quem tem interesse na franquia de jogos, se você não tem grandes conhecimentos sobre a trama de todas as edições com certeza vai ficar perdido e sem entender muita coisa do que é contado ou citado de exemplos, referências ou acontecimentos passados. São diversas citações de personagens e localidades que só quem acompanhou de perto a evolução dos jogos vai pegar as referências ou entender o que está acontecendo ou vai acontecer.

O roteiro de Williams é raso é beira o previsível, principalmente quando a revista encaminha-se para o final. O autor parece usar o background dos jogos que já vem intrínseco na história como desculpa para não se aprofundar em nada ou perder tempo explicando de forma decente tudo que acontece, partindo direto para a viagem e ação em si. Além disso as frases parecem ensaiadas demais, durante a leitura é fácil imaginar que os diálogos acontecem tal qual uma atuação mal feita e decorada, com grandes pausas e demonstrações forçadas de emoções.

Agregado a isso temos a arte de Lacroix que, apesar de apoiar-se referencialmente no clássico estilo de Mignola, deixa muito a desejar. Os desenhos fazem uso de muita sombra, cenários escuros e ranhuras para esconder a falta de detalhes dos cenários e personagens. Eu diria até esconder a falta de habilidade do artista. Tanto personagens como cenários transbordam sujeira, traços desconexos, soltos demais, sem falar na colorização que não agrega em nada a obra.

Por fim, ter apresentado personagens novos, com uma história inédita e que não influencia em nada nos acontecimentos dos jogos torna-se algo totalmente descartável. A melhor arma de venda e captura do leitor, e provavelmente a única, que seria utilizar histórias em andamento e personagens conhecidos dos jogos, não foi utilizado. Querendo oferecer algo inédito ofereceram algo descartável, tanto como leitura como suvenir para fãs da franquia de jogos.

Uma lástima.

By |2020-05-26T15:23:52+00:00julho 26th, 2020|Resenha, Uncategorized|0 Comments

Mulher-Hulk (All-New Marvel Now – Resenha

Em terra de super-advogados, quem tem uma Mulher-Hulk é rei.

Antes de tudo. Quero deixar bem claro que mais uma vez fui enganado pela arte cartunesca dessa nova leva de desenhistas que a Marvel Comics está apostando suas fichas.

Quando vi alguns previews da série da senhorita Jennifer Walters (aka She-Hulk), eu fiquei decepcionado por pensar/achar que se tratava de mais um Quarteto-Fantástico do Matt Fraction, que para quem não sabe é ruim no enredo e ainda pior na arte, mas não. Dessa vez esse não é o caso. A arte de Javier Pulido combinou muito bem com essa visão mais “pé no chão” do Universo Marvel.

Voltando a falar agora da revista em si…

O Enredo; se trata mais uma vez daquela visão mais particular e pé no chão dos personagens do universo-616, o roteirista (Charles Soule) explora o lado mais “normal” da personagem dando foco em sua vida como advogada, mas o melhor mesmo fica por conta do belíssimo equilíbrio que existe entre à vida de advogada da protagonista e sua vida como heroína. Jennifer aqui leva uma vida mais “Gavião Arqueiro” do que “Liga da Justiça” (espero que você tenha entendido a indireta), claro que, sem nunca esquecer suas origens do poder gama.

Logo de cara, para o leitor mais conhecedor dos “paranauê”, tudo lembra muito que Mark Waid fez em seu titulo “Demolidor” (2012-2013) e muito antes Matt Fraction em “Gavião Arqueiro” (2012-2013). Se focando mais no lado humano do personagem do que suas aventuras fantásticas e altas cofunções do barulho com uma turminha da pesada. Jennifer aqui depois uma repentina mudança de vida resolve pegar um caso um tanto quanto… Perdido. Contra um gênio, bilionário, playboy, filantropo sim, ele mesmo, Tony Stark. Caso do qual, obviamente, não foi aceito por nenhum outro advogado, mas Jennifer não é qualquer uma ela é Hulka!

PS: Eu gosto de chamá-la de “hulka”, titulo do qual ela foi ela foi conhecida por um tempo aqui em terras tupiniquins, então não implique comigo.

PS: Eu gosto de chamá-la de “hulka”, titulo do qual ela foi ela foi conhecida por um tempo aqui em terras tupiniquins, então não implique comigo.

Uma das principais coisas que chamam atenção nesse primeiro volume é mesmo o roteiro, os diálogos não são nada parecidos com o que costumamos ler. Tudo é muito mais… Sério, talvez até tenha sido isso que me agradou tanto. Alguns dos diálogos são enormes, mas não irrelevantes como em “Fabulosos Vingadores”. Jennifer no inicio se mostra muito bobinha, mas depois do choque de realidade que ela leva; tudo evolui de uma maneira muito melhor. Até mesmo algumas lições sobre direito podem ser aprendidas com ela.

Depois de alguns segundos de pesquisa (foi logo de cara) descobri que o senhor Charles Soule é advogado. Ou seja, temos que continuar lendo pessoal, isso aqui promete muito.


By |2020-05-26T15:15:39+00:00junho 18th, 2020|Resenha|0 Comments

Resenha – O Inescrito 01

As histórias são a única coisa pela qual vale a pena morrer.

Harry Potter teve sua saga inspirada em um menino real. Este menino é o filho da autora, J.K Rowling. Após o sétimo livro da saga, a autora desapareceu, deixando Harrison Rowling sozinho, confuso sobre suas origens e com a eterna fama de ser “O Harry Potter” dos famosos livros e filmes.

[Ok, Kell, eu realmente acho que você deveria parar de usar drogas.]

Olá, Cruzadores, na verdade esta mentirinha aí foi só para introduzir (uiii) o tema de O Inescrito 01 – Tommy Taylor e a identidade falsa , mais um excelente material, teleportado para nossa nave, graças a parceria realizada com a Comix.

O Inescrito é uma série de Fantasia Literária, lançada sob o selo Vertigo e trazida ao Brasil pela Panini.

O Inescrito é mais ou menos assim, do jeitinho que eu escrevi, só que Harry Potter é Tommy Taylor e ao invés de escritora temos o escritor Wilson Taylor, pai de Tommy.

Sinopse Oficial

Tommy Taylor é o personagem principal de uma série de literatura fantástica que virou um fenômeno cultural. Fãs se reúnem em convenções para celebrar essa história mágica e renovar as esperanças de que seu autor desaparecido, Wilson Taylor, algum dia volte para escrever a derradeira aventura.

Wilson deixou outra herança além de Tommy: Tom Taylor, seu filho agora abandonado e que serviu como inspiração para o personagem. Venerado por ter sido a inspiração para o garoto-mago, Tom frequenta os encontros de fãs como uma lenda literária viva.

Sua história está prestes a cruzar os limiares da ficção! Estranhos paralelos mortíferos entre a vida de Tom e Tommy o arrastam para um estranho submundo literário no qual o poder de uma narrativa é tão forte quanto o de um feitiço!

Mike Carey e Peter Gross, os aclamados criadores de Lúcifer, somam forças para revelar O Inescrito, uma ousada nova série sobre o universo das palavras, as palavras do universo e a linha tênue que separa as duas coisas.

Fantasia Literária

O bruxinho Harry Potter é a referência mais óbvia e assumida na obra, mas temos tambem menções diretas a Rudyard Kipling (que você certamente conhece pelo Jungle Book, livro que originou o famoso desenho da Disney “Mogli O menino Lobo”) e Oscar Wilde (Retrato de Dorian Gray) e diversas menções a autores, histórias e locais que foram cenários para livros famosos.

Esta modalidade de fantasia conseguiu cativar minha atenção, fiquei maravilhada ao reencontrar velhos conhecidos literários dentro desta HQ.

A composição de cenários, adaptações de marcas e arquitetura tambem me deixaram encantada. Espero que os volumes seguintes consigam manter minha empolgação.

O encadernado de 17 x 26 cm tem 148 páginas e agrupa as edições  The Unwritten 1-5.

Lá fora, a série já conta com 50 números publicados. (alias, no número 50 há um crossover entre Inescrito e Fábulas ^^)

By |2020-05-13T23:53:18+00:00maio 13th, 2020|Resenha|0 Comments